28.6.12

...Amanhã...


É tudo...
É essa pungência de vida que me prende à cadeira, emaranhando-me em mim como se fosse um bicho da seda a me fiar...
Desfiando-me...
Desafiando-me...
São momentos inapropriados de vida. Questiono a essência da existência e vou cavando com a ponta dos dedos esse poço que promete matar minha sede de vida, quiçá um dia ele realize meus desejos...
E então, eu lhe mostraria que no peito trago o desenho da rosa dos ventos, só para saber se a esperança, ao menos sabe, para onde eles foram.
Tudo passa sem deixar rastro nem pistas, onde me desencaixo e por mais que me desdobre...
Não desamarroto...

24.6.12

...Click!


Retoquei a maquiagem dos olhos num verde grafite de esperança...
Reforcei o batom para que não escorra nas bordas do sorriso...
Mudei o penteado de lado na esperança de não ser reconhecida...
Abotoei o casaco até em cima...
Guardei o decote com aquele lenço que um dia enxugamos minhas lágrimas...
Enterrei no fundo da boina todas as lembranças...
Apertei o cadarço das botas para que as asas possam correr mais soltas...
Abri a janela dos teus abraços e saltei...
Click!
Essa é a única imagem que preciso como registro...

22.6.12

...Entrega...


Estampado na face como um traço de pincel que saltou da paleta...
Fenda incicatrizável por onde escoa o que me vai n’alma...
Sorrisos...
Entreabertas janelas da mais escura das noites...
Encortinadas por pálpebras que suspiram em falsetes...
Cintilam o que não tencionei revelar...
Segredos...
Não adiantou afugentar-me por entre as pernas da coxia em penumbra...
O corpo explicita num cenário de frases para serem lidas em braile...
Desejos...
São rios de lavas multicoloridas que correm em direção ao [a]mar...
Vem...
No vão daquilo que nem a natural rebeldia consegue deter...
A entrega absoluta de todas que fui...
E de todas que em ti pretendo ser!

20.6.12

Presente


Há uma noite alta dentro de mim. E dizem que as noites são portais mágicos que nos elevam a condição de encantados. Poderia hoje querer brincar com o tempo. Voltar a ser criança, ir mais além da história. Mas hoje, aqui ouvindo o vento que já vem lá fora, prenunciando que na sua passagem, sempre alguma coisa leva - me adianto sujando as veste, as mãos, lambuzando meu cabelo e a sola dos pés, deixarei que os poros se embriaguem com essa poesia solitária.
Farei desse tinteiro negro, uma caixa de pandora em que mergulharei a alma para que transborde palavras como big bang em tempo de criação.
Serei sim, a pena fagueira e insistente que marca o papel em branco, borrões do nosso amor, como se estivéssemos aqui, agora, maculando a alvura dos lençóis com nossas sagradas luxúrias.
E quando o vento transpassar as cortinas dessa janela entreaberta que é o nosso passado, fará tremular mais uma vez sobre a mesa em que adormeço as linhas - curvas e traços paralelos - memória que lhe peço, leve, leve sim, mas não ouse tentar apaga-la! 

18.6.12

...Meio...

Poesia selecionada para a Edição Antológia Literária LITERATUS



Meio exagerados...
Compomo-nos em música para ser ouvida em braile...
Não sei dizer como tudo começou...
Entre nós não havia...
Um meio termo...
Um meio olhar...
Um meio [a]mar...
E em meio a tantos desejos...
Repartíamo-no ao meio...
Entrelaçávamo-nos meio sem começo nem fim...
Teu meio em meu meio...
Éramos o fio da meada que tranceteava a existência de nós...
E então tudo foi se desamarrando...
Os dias desfiando...
E nosso amor desalinhado definhando desafinado...
Ainda hoje...
Não sei onde começo...
Nem quando será em mim o teu fim ...

15.6.12

...Tesouro...



Sim...
Algum dia nos sentirmos incompletos...
E então...
O verbo amar se faz carne e rompe as barreiras do indescritível e se aninha no seu ventre...
E dia a dia voce sente seus movimentos se agigantando e exigente se faz oferece-lo ao mundo...
Então das suas entranhas voce oferece seu fruto...
O que há de mais humano em voce se faz a Mãe!
E todas as suas dores partem para um lugar onde tudo se transmuta...
E voce se sente Mulher...
Pronta para inclusive, se orgulhar de ter gerado, criado e participado da existência de um novo ser...
Aquele que sempre será o seu elo de ligação com a sua capacidade de ser divinamente completa!

12.6.12

...Hoje...e Sempre...


Hoje queria mirar-me no teu espelho...
E...
Ser para ti o batom a colorir a tua boca com beijos...
O vento a desalinhar tua sensatez...
Impregnar a noite de uivos de lua...
Mas...
Hoje o céu deságua meus olhos...
Para que o mar retempere o sabor das minhas lágrimas...
E assim a terra absorva meu perfume para suas profundezas...
E aí...
Nesse tão longe lugar de para sempre...
Me sintas como um sorvo quente...
A te flertar as narinas...
Embebedando a ressecada garganta da distancia...

Feliz “nosso” para sempre dia dos namorados!

...Retirante...


Retiro minhas pegadas desse caminho...
Que o tempo construa seus diques com os sulcos que deixei...
E as pedras ergam totens em minha homenagem...
Que as flores a cada dia exalem um perfume diferente...
Pois...
Se fui tantas a cada dia...
Também fui dama em cada noite...
Que as estrelas reflitam o brilho dos meus olhos...
E a lua ofereça todas as suas despudoradas faces...
E todas as vezes que o sol nascer...
Um girassol estenda suas pétalas em reverencia a minha insistência...
Pois...
Foi na fúria dos olhos dos furacões...
Nas vagas de um [a]mar que atravessou o infinito...
Que também fiz dos vendavais brisas mornas...
E mesmo na escuridão...
 Colori com versos retirantes minhas páginas em branco...

10.6.12

...Silêncio do vento...


Há no vento um silêncio que me desconforta...
Perfila-me os contornos como se fossem dedos...
Toca-me com uma suavidade gélida de quem veio para uma visita longa...
Sussurra-me segredos inconfessáveis...
Cobre lacunas gastas pelo tempo...
Desvenda os vales das tormentas de uma intimidade que emparedei por anos a fio...
Há um que de desafio que ora me esconde...
Ora me revela...
Imagens destoantes de tudo que já provei...
Alimentando aos bocados boca a boca...
A alma que desperta em desalinho!

6.6.12

...E mesmo que não haja amanhã...


Tenho uma alma romântica e um coração prolixo...
Emaranhados nos meus dias que me enovelam em sensações vertiginosas que ora me confundem...
Ora me despertam...
Tudo se agiganta e se encolhe em medidas descompensadas...
Um juízo que se diluí no caldeirão do meu querer...
E mesmo que não haja um amanhã...
Vôo de olhos fechados em direção ao prazer de querer bem quem nunca imaginei ser!

5.6.12

Passagem Secreta


A tarde fora trazida em um alçapão. Uma passagem secreta. Um portal à morada dos deuses?!?
Sentia-se como se estivesse sendo lentamente dissecada. Mergulhada em uma xícara de café forte e com pouco açúcar. O olhar perdido no infinito, alheio ao sabor que impregnava seus lábios, lambendo a língua e surfando pela garganta abaixo. Estava se engolindo sem se dar conta do sabor!
Eram muito estreitos esses momentos para que pudesse definir o que sua alma transpirava.
Perdera as contas de quantas vezes ficava assim, submersa nesse mar de nuvens avermelhadas. Seu paraíso e por mais que pisasse firme nas calças da vida, sua alma sempre estaria de asas abertas, entregue ao vendaval do destino.
Cerra a cortina dos olhos, é hora do dia descansar.

...Baforadas de Tarde...


Retalhava com os olhos as bordas da alma do vento...
A folhagem indefesa ia sendo arremessada como um tapete sobre a calçada...
Tudo lhe parecia tão familiar!
Que até mesmo o beijo do sol em baforadas de tarde em seus cabelos não a despertavam...
Andava como se flutuassem em passos trôpegos compactando o passado em desalinho...
Ao longe um pássaro trinava uma sinfonia com acordes repetitivamente belos...
Decerto, tudo convidava ao flerte com o amanha...
Mesmo que a jornada sempre a levassem para um ontem sem fim...

1.6.12

...Interlúdio...


Estanquei o sangue que vertia dos olhos...
Agora são duas nuvens salpicadas pelas estrelas de marte...
Assoei o nariz e joguei fora o lenço...
A paz se instalou em mim, não mais precisarei de bandeiras...
Deitei as armaduras, sacudi a lama no riacho...
Uma desculpa a mais para mergulhar meus pés na água fresca...
Mudei o figurino, o corte de cabelo e o sorriso...
Guardei as jóias na caixinha de sândalo...
Pendurei o vestido de verão no último cabide do armário...
E junto com ele, todas as minhas esperanças de que um dia, eu possa usá-los novamente contigo!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!