Bata Antes de Entrar


(Presente da Again)


Tire os sapatos...
Fale baixinho...
Adentrou na página da minha intimidade...
Rabisco...
Rasuro...
Desenho pagina inteira...
Ou só no cantinho...
Mancho com lágrimas...
Decoro com sorrisos...
Rasgo e vejo escorrer o sangue...
Sinto as dores de ve-las soltando-se à minha revelia...
Sou Eu...
Quando quero ser...
E até mesmo quando não estou...






Hoje, 26.03.2014 (6:01)
 Confesso que quando recebi as perguntas, enumeradas pensei: fácil responder. Passou um dia, dois e as tres perguntas ficaram martelando na minha cabeça. Como estou de férias, dei tempo ao tempo que tinha de sobra e hoje resolvi ir à biblioteca Mario de Andrade, que fica praticamente no quintal de casa, pesquisar. O ambiente da biblioteca é algo para meu ser curioso um êxtase, e depois de me informar de que forma encontraria o que estava procurando, dei-me conta que não seria tão fácil assim formular as respostas, já que, de pronto é muito fácil entrar na pesquisa da internet e buscar pelos três itens. Mas, consciente de que essa minha busca se iniciou, bem antes de ter consciência do que realmente buscava, mergulhei por alguns autores conhecidos meus e de todos e cheguei a trazer para casa dois livros: Os andarilhos do bem de Carlos Ginzburg e Pensando com os demônios de Stuart Clark, esse ultimo, descobri a seguir, que pode ser lido pela internet.
Mas ainda assim, depois de ter passado a tarde na biblioteca, não conseguia formular as respostas, não as que eu considerava satisfatórias. E então, fui fumar. Sim, ainda conservo esse vicio que é mais uma relação de prazer com o tabaco, do que uma própria necessidade física, e isso vem de longas datas, desde que vi um homem fumando charuto e fiquei hipnotizada pelo perfume. Como para uma mulher na nossa sociedade, ainda é “estranho”, fumar charuto, optei pelo cigarro cheio de alcatrão e outros malefícios juntados a ele (risos) - mas, que nunca pensei em abandonar. E então, lembrei-me de uma frase que li sobre o Xamanismo. Não me recordo o autor agora, mas ele fala sobre “pertencimento”. Essa palavra funcionou como um start.
Então, começo a delinear meu raciocínio a partir do numero 1. Paganismo. Palavra derivada do latim paganus, que significa "habitante do campo", "rústico". Outras definições que são do meu conhecimento e que também encontrei, referem-se a práticas religiosas anteriores ao cristianismo, onde se cultuavam vários deuses; e isso me remete diretamente a questão numero 2. Bruxaria. Aí que a porca torce o rabo! Diante de um livro de quase mil páginas, fique relembrando as minhas pesquisas academicas, aquelas que nunca saímos satisfeitos, sempre acrescentaríamos algo se tivéssemos tempo. Teríamos nos aprofundado mais, teríamos feito outras abordagens...mas...foi aí que finalmente percebi que não estou em uma pesquisa academica e sim, estou iniciando um caminho a muito ansiado -  quem sou eu? Onde estou? E para pretendo ir? Sim, a palavra “pertencimento”, muito conhecida minha - costumo dizer que a humanidade está nesse modelo de caos, por não ter noção de pertencimento! Apliquei-a durante muito tempo para a “humanidade”-, e isso não me incluía? Como assim?
Sim. Confesso que me envergonhei. Confesso que pela primeira vez olhei para uma estranha. Eu que me considerava uma caminhante, leve, aquela que deixou tantas coisas para trás; aquela que aprendeu a se perdoar pelos seus erros; aquela que...quem é essa?
Mas, retomando os meus estudos sobre Bruxaria, li varias coisas, algumas que todos sabemos empiricamente, principalmente quando se é mulher, e a bruxaria é praticada desde os primórdios até os dias de hoje - quando fomos parteiras, benzedeiras e curandeiras, somos mães e cuidamos dos nossos filhos quando adoecem, quando ficam tristes ou felizes, quando precisamos educa-los, ensinando-lhes a se pintarem com o verniz social para serem aceitos socialmente...quando contamos nossas histórias ancestrais para ensina-los as nossas tradições, quando os estimulamos a comungarem com a natureza. Somos bruxas, desde quando aprendemos com nossas mães a sermos esposas e quando crescemos e formamos família, aplicamos todas as nossas tradições e adicionamos conhecimentos adquiridos ao longo da vida. De forma “mágica”, vou percebendo que a Bruxaria não é um mistério a ser desvendado, mas um caminho simples, chamado vida, onde homens e mulheres deveriam comungar com a natureza, cada um desempenhando o seu papel estabelecido, afinal, somos também animais.
Não gostaria aqui de desfiar conhecimentos acerca de tudo que já foi dito, replicando o conhecimento de quem se debruçou dignamente aos estudos. Ainda me considero imatura, embora consuma com prazer as leituras sobre o assunto, não me sinto confortável em repetir o quanto ignorantes demonstramos historicamente ser, ou exaltar a demonstrações de poder, a falta de respeito ao outro e preconceituosos ao que não compreendemos. Sinto-me desobrigada a por mais lenha nessa fogueira...
E então, prossigo para a pergunta numero 3. Xamanismo. Confessadamente também, os meus olhos brilham. Tudo ao meu redor se cala. Escuto agora o silencio do mundo pelas entranhas, como se comungasse comigo essa minha emoção. Tenho ancestralidade próxima indígena, e mesmo que não tenha conhecido nada referente a nossa tribo, sou bisneta de uma India do interior da Bahia. Dos filhos do meu Pai, herdei os traços mais fortes, e também sou sua primogênita, e acredito honrar o destaque que me foi confiado.Mas, nunca estudei sobre Xamanismo, pouco sei sobre o assunto e na biblioteca referida, só há um livro em português, mas só está disponível para consulta. Fiz pesquisa na internet e achei em um site vários autores que em poucas palavras falaram-me muito, decerto não tudo que preciso aprender, mas, creio que tudo que preciso saber no momento – o Xamanismo não é uma religião, mas um prática dos primórdios da humanidade, segundo Elíade “ Uma primeira definição desse fenomeno complexo, e possivelmente a menos arriscada, será : Xamanismo = técnica do extase”; “[...]o xamanismo é a "Jornada da Consciência", um legado da humanidade além das fronteiras dos países, credos, raças, filosofias. Xamanismo Universal não significa uma classificação nova no xamanismo, o xamanismo é universal. A premissa básica é o reconhecimento que todos fazemos parte da Família Universal e tudo está interligado. O praticante compreende o Espírito Essencial que está dentro dele mesmo, na natureza e em todos os seres. O praticante sabe quem ele é e como se relaciona com o Universo,[...]”, afirma Léo Artése; e acrescenta Jamies Sams, “O xamanismo é também a capacidade de comungar com todos os espíritos que habitam em todos os níveis da Criação. Os melhores xamãs que encontramos hoje em dia são aqueles curadores curados, que já trilharam o caminho da morte e renascimento, destruindo as sombras que obscureciam sua clareza interior. Um xamã consegue reconhecer o lado obscuro de seu próprio ser e percebe a escuridão semelhante nos indivíduos.”
 Quando experimentei a ayahuasca, apartando a dose de medo pelo desconhecido, tive uma experiencia singular e indescritivel, foi o momento em que pela primeira vez, me senti parte de um “Todo”. Não saberia explicar-lhes, mas senti a magia da vida ao meu redor e eu também fazia parte daquilo tudo.
De tudo que li, entendi que em um momento específico, mudamos o rumo da nossa história sobre a face da terra, ao criarmos novos dogmas religiosos, nos apartamos da nossa essencia natural, onde os homens comungavam de forma harmonica com a natureza, tendo como ponte seus deuses, eleitos pelas suas especificidades, cultuados pela necessidade de te-los como suporte para justificar a nossa jornada existencial.


Hoje, 06.05.2013 (2:01)

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=HDvOCVvQVvo#!
Enquanto durmo meu sonho permanece...
Vivo...
cada imagem...
cada fulgor...
cada suspiro...
cada emoção...
como uma estrela que cortou o céu...
nesse caminho que é só nosso...
onde estamos exatamente ocultos?




Hoje, 18.10.2012 (10:54)

Já era muito tarde. A noite ia alta beirando as bordas da lua que já se recolhia displicente. Encostei o corpo no batente da porta, recusando-me  a fecha-la por definitivo. Queria o pio das corujas e o farfalhar das asas dos corvos que partiam em revoadas. Havia um silêncio no vento que me dizia ao pé do ouvido segredos inconfessáveis. É das horas mortas em que me sinto mais viva e não me importo que a noite adentre no meu quarto para confabular com meus momentos de solidão. Em10.06.12 (17:04)



Hoje, 16.10.2012 (07:45)


Estar entre amigos é sempre uma diversão, pura e simples! Quem imaginava que caberia no vestido de casamento da Stela quase 40 anos depois?
Pois é, boas lembranças merecem ser guardadas, foi por voce e todas, para voce que se faz inesquecível na minha existência!
Para Su  a "bonequinha",
Para mamadi a "filotinha",
Para voce a "pequena diabinha"...
Te guardo...
Hoje acordei sentindo saudades de todos e de...nós...
(foto em 07.01.2012)


Hoje 13:08.2011 (01:27)


Nas horas que são mortas nos sentimos tão igualmente mortos e impassíveis, dependentes de um todo que move o universo para um lugar onde não sabemos onde vai dar...nesse exato instante, de um momento inapropriado de vida, quero apenas mergulhar numa piscina de vinho tinto, reverenciar Baco e entorpecida...adormecer...

Hoje 02.07.2011 (15:44)

O que seria Venus em harmonia com meu céu?
Acordei com uma obra bem nas paredes da minha caixa craniana, cacilda! Já acordei reclamando com o zelador, Ele me disse: é uma obra no apartamento ao lado ao seu...é fazer o que? Voltei para a cama que agora estava como um bote a deriva em mar bravio, tentando lembrar o que era bom pra ressaca...acho que estou envelhecendo(mesmo), não dou conta mais de uma balada “forte” no dia seguinte.Vejamos, comecei a noite tomando “tesão”, calma é só uma bebida; e prossegui tomando vodka...bem, acho que agora consegui chegar em terra firme e os pensamentos estão mais aterrissados...
Ontem acordei com aquela sensação de poxa vida, minha vida está muito bege.  E o dia foi adentrando pela tarde e eu quase sumindo em mim. Precisava reagir! Liguei para amigas e disse: quero entornar o caldo, alguém se habilita a me acompanhar? Claro, as baladeiras de plantão logo se pronunciaram e voltei para casa mais animada.
Todos sabem que sou pacata...mas...não sei o que acontece, a Padilha que mora em mim, não é! Gente, ela estava também com necessidade de auto-afirmação e foi nesse clima que me arrumei para sair. A balada é ótima, um inferninho (eu não conhecia), samba rock rolando solto, pessoal de teatro prá lá de super doidos e legais, depois do segundo “tesão”, alguém apertou o botão do “foda-se” e creiam, ele encrencou! Muito samba nos quadris que se soltaram na música. Engraçado, como os homens gostam de nos exibir como troféus, segurar na mão da morena e faze-la rodopiar, é uma disputa que os mancebos gostam de travar entre si. Quase um duelo tácito entre eles, me diverti a beça, a auto-estima da “Padilha” foi prá lá de Marrakech...aprendi até a dar beijo técnico, mas isso, foi só uma forma que o amigo pra lá de gay, arrumou para me proteger dos mais avançadinhos... cenas ridículas que felizmente, não houve registro....
Carmoza amiga, superou aquela do creu no nível 5, faltou voce! Gargalhadasssss
Então hoje acordo já recuperando um pouco da lucidez e vou ler meu mapa astral : isso tudo é culpa do planeta Venus! Infelizmente não tive amnésia alcoólica, Ufa...depois de ter jogado fora o cartão que encontrei no bolso da saia (não servia pra rascunho) ...me senti mais aliviada...acho que só volto lá na próxima crise de cor única...rs



Hoje 25.06.2011 (15:06)






 Acordei enjoada, com preguiça nem café eu fiz, mas juro que não vou beber o de ontem!
Esse dias fiquei sem computador e depois de fazer milhões de coisas em casa, liguei a TV, estava passando uma daquelas novelas com enredo mexicano e fiquei assistindo. Isso é um exercício a minha paciência, definitivamente não tenho talento de marinar nessas histórias sempre mesmas de amores incondicionais...dai mergulhei...o que faz as mulheres de hoje serem tão carentes? Será que sou uma delas já sem fôlego para lutar e prestes a me entregar a uma história em que teria que abandonar a autenticidade e entregar-me nas mãos de outrem? Vejo tantas promessas, mas ainda questiono: quem é capaz de oferecer a alguém o que de fato não possui? Se não formos dono de nós mesmos, se não tivermos nossos próprios ideias poderemos oferecer alguma coisa a alguém? Isso talvez funcione bem nos folhetins, mas na vida pratica creio que buscamos completude. Nos consorciamos com quem tenha algo a compartilhar...até mesmo quem gosta de dominar, quer chegar e encontrar o que dominar. Qual o prazer de conquistar casa vazia?
Todo amor exige renuncia, mas para que se renuncie deverá existir algo a ser renunciado. Definitivamente sou conquistadora, quero casa cheia, mesmo que seja bagunçada, mas que eu possa ter ao menos algo para arrumar, ajustar, doar, barganhar...quero sim um amor grande ou um grande amor, mas aquele que se sinta honrado de estar ao me lado...repleto de novas histórias, rasgando e ardendo em brasas os velhos e enfadonhos folhetins...
Me animei, vou fazer café!

  Hoje 18.06.2011 (10:50)

Meu horoscopo hoje diz: “Exatamente nesse dia, nenhum aspecto astrológico significativo acontece entre os planetas em suas posições atuais e os Astros na data em que você nasceu.”
CONSIDERE ESSE DIA NEUTRO
Cacilda! Nem o café forte consegue amenizar...o que seria um céu neutro?
Acordei e fiquei na cama, curtindo o gostinho de gosto de guarda chuva na boca, sempre se paga um preço quando se resolve beber um pouquinho a mais...na verdade acordei me sentindo...não acho a palavra adequada, vai essa mesmo...solitária...
Não sei dizer se foi o papo com a bruxa, ou a conjuração astral que está propícia ou a mistura da comida mexicana com porre de choop de vinho que deu uma “ressaquinha” emocional...mas estou me sentindo: pare tudo que quero descer!
Ah Valéria...hoje terá que buscar forças ocultas para se sustentar em pé ou então abra as asas e se entregue ao abismo...não sei, não sei...só sei que quero colo e detesto me sentir assim...


Hoje 11.06.2011 (09:27)
Vai um cafezinho quentinho aí?
Acordei disposta!
Quem me conhece bem sabe que sou um caldeirão borbulhante de contradições, sou muito racional, às vezes até demonstro frieza...mas a natureza emocional é gritante. A minha amiga Duka me define carinhosamente, como uma as poucas pessoa que ela conhece que tem inteligência emocional, que consegue avaliar racionalmente, mesmo coisas emocionais, separadamente, do alto, assumindo o que me faz sofrer, mas vale a pena e o que não vale – e resume: você é a mulher mais “macha” que conheço!” – coisa de Duka.
Não compreendo muito direito isso, na verdade não me compreendo direito, mas de uma coisa eu sei, tenho instinto de sobrevivência aguçado. Seria isso “ter inteligência emocional”?
Me sinto uma adolescente buscando se posicionar, buscando seu lugar ao sol. Tudo me aconteceu meio às avessas, assumi responsabilidades muito cedo e cuidei para que tudo desse certo. Em algum momento me perdi de mim e me reencontrar não é uma tarefa fácil, já que meus pensamentos andam em uma velocidade da luz e eu, nunca sou a mesma após o instante seguinte.
Mas esses dias particularmente, tenho me sentido “estranha”. Uma calma, talvez cansaço...tenho dormido muito e sonhado bastante. Isso acontecia quando era adolescente, a mama dizia que eu vivia nas nuvens, eu vivia em outro plano, mas nunca soube explicar, porque também não sabia o que era.
Sonho muito, dormindo e acordada. Mas ultimamente adotei uma prática: estendi meus sonhos no varal ao sol, o que não craquelar, está valendo. E sabe que tem dado certo? Tudo tem acontecido, sem muito esforço, a sorte me sorri e estou vendo os meus sonhos tornarem-se palpáveis. Claro que tenho trabalhado muito para isso, mas, sem angustias, com prazer. Talvez tenha definitivamente aprendido a confiar em mim, no meu potencial e sem culpas de errar, não preciso provar mais nada a ninguém. Estou finalmente cuidando exclusivamente de mim!
Isso é egoísmo? Não sei, talvez a palavra não seja essa, mas seja lá o que for, é uma coisa muito gostosa! Daí fui ler meu mapa astral, eis o que ele diz:
DE: 11/06 , 12h15
ATÉ: 24/06 , 0h44
“Marte estará formando um ângulo estimulante e harmonioso à sua Lua de nascimento, e isso costuma dar uma dinamizada à vida emocional do indivíduo. Cores mais leves passam a tonificar o seu emocional, e este não é apenas um momento socialmente interessante como, sobretudo, tende a ser uma fase de reações emocionais positivas. É curioso observar, Valéria, como muitas vezes passamos dias, às vezes até meses e anos mergulhados numa chateação ou ressentimento. Remoemos aquilo, até que de repente - bum! - a coisa passa. Em geral, são nos ciclos positivos de Marte com a Lua que a pessoa simplesmente "espana a poeira" e se livra de emoções chatas que não lhe servem mais. E este momento, para você, é agora! Daí a importância de, neste momento, conhecer gente nova, permitir-se trocar emoções com os outros, fazer coisas que lhe dão prazer. É um bom momento para o intercâmbio de sentimentos, para a expressão das emoções, sobretudo com as pessoas mais íntimas, da família, os amigos mais chegados, ou os amores. Observe, inclusive, que a Lua do céu também estará formando ângulos harmônicos ao seu Marte pessoal durante algumas horas de alguns dias, e nestes dias em particular você sentirá um estímulo emocional redobrado, serão momentos de maior prazer. Estes dias serão propícios para todas as questões emocionais e de relacionamentos (inclusive sexo!).”




Talvez seja só influencia dos astros...


Hoje 04.06.2011(10:27)
O dia não está tão frio hoje, talvez esteja já me acostumando com ele...ou quem sabe o café esteja me aquecendo...
Fui novamente ver a exposição de Escher...não dá ir ver uma só vez, precisava registrar tudo aquilo não só na minha retina, mas na minha memória afetiva.  Como da primeira vez, emocionante. O surrealismo me envolve de tal forma, me sinto transportada para os reconditos das minhas mais secretas emoções. Fiquei passeando pela materialização de sentimentos e dúvidas, por entre aquela enormidade de inseguranças que o ser humano traz em si. É um belíssimo conjunto de reentrâncias, de traços que te pegam pela mão, com a violência voraz da fome humana e te engolem, muitas vezes sem te mastigar.
Deixei-me ser tragada para dentro de mim com a sensação de que não sou diferente da maioria, que as dúvidas transitam nessa eterna construção e desconstrução, com jogos de espelhos que faceiam um mar de ilusões que nos propomos.
Fiquei divagando pelo que nos faz responsáveis por tantas angustias existenciais, se viver não passa de nascer, crescer, multiplicar e morrer? Essa nossa tal racionalidade, que nos difere do restante dos animais (irracionais), que apenas lutam pela sobrevivencia e o curso natural da existência.
Qual o beneficio de ser racional e navegar nesse mar de ilusões que criamos para nos aprisionar na liberdade?
Mergulho profundo tocando na intimidade da minha fragilidade de ser racional e as angustias afloram, esse é um prazer tão conhecido...ri de mim e chorei por todos que construímos labirintos, cada vez mais complexos e difíceis de serem transpostos.
Duka, Guru-amiga e muito café
Lembrei-me de Fernando Pessoa e seu heterônomo Caeiro - que adoro-, um homem inteligente, e consequentemente afogado na complexidade de viver, criou Caeiro como um “suspiro”, LÁ ele podia ser apenas um simples homem que via, a pedra como pedra e nada mais...
Será que esses estilhaços que sou em algum momento far-se-ão peça inteira?
Quanto mais me aprofundo, estudo, busco, conheço...percebo a minha pequenez de átomo que transita na imensidão do todo...
Viver talvez seja a única ilusão que realmente consigamos "tocar"...


(Hoje 28.05.2011(09:11)
Aqui...
Um café bem forte talvez me tire dessa letargia...acordei hoje com uma sensação que estava caindo no abismo...
Fico aqui pensando onde essa inconstância de sensações me levará. Tenho uma amigo baiano que me diz: isso é coisa de SP, te deixa assim, com a sensação de que está perdido no mundo!
Eu sempre discordei dele,adoro a cidade que tem uma dinâmica diferente do que vivi toda minha vida. Hoje meus passos são mais rápidos, ando ventando e não me sinto fora desse contexto, talvez seja esse o barato de estar no meio dessa energia que circula como se estivéssemos na  velocidade da luz, nada é verdadeiramente novo, e talvez aí esteja o centro de tudo  – absoleta?  De fato tenho me sentindo enjoada de tudo! Fui ver a exposição de Ercher, e fui relembrando o que havia estudado sobre ele, claro que na época fiquei fascinada pela forma como expunha suas angustias existenciais, e vendo ao vivo, me senti tragada pelo seu mundo fantasiosamente lógico, uma técnica perfeitamente executada, onde intrinsecamente  relata a sua necessidade de se ver posicionado no universo. Tem uma gravura muito bacana - Belveder, um cenário com algumas pessoas, muitas coisas a serem observadas na gravura, alguém preso no porão...um pendurado na escada, pessoas solitárias olhando para o infinito...mas tem um solitário, com um cubo na mão, a sua frente o desenho, uma amostra, de costas, alheio, absorvido na sua impossibilidade...as vezes assim me sinto, uma porção de um todo que segue ensimesmada nas minhas impossibilidades...
Sou resistente  e sempre em busca de dar sentido as coisas que faço e vivencio...ando cansada...
Hoje queria estar verdadeiramente só comigo...sentindo falta do cheiro do mar, de caminhar na areia fofa...sentindo falta do vento morno que me dá sensação de vida...estou sentindo falta de mim...





Sexta-feira 13, rumamos para Panapiacaba. A cidade em formato de casario, um ar quase medieval, imprime sua personalidade incrustada no meio de vales verdejantes. Resguarda brumas e um cheiro impregnante de eucaliptos que te deixa com a sensação de leveza...o ruído da cidade é das cachoeiras que aqui e ali escorrem livremente...o sinal de modernidade é  a linha do trem que a corta pelo meio como uma cicatriz.


 
Fomos conferir o encontro de Bruxos e Magos. A chuva fina nos acolheu e molhou os cabelos...mas não nos desistimulamos...a magia do lugar nos contagiou!





Pedidos feitos, me lembrei Cotinha: dessa vez escrevi direitinho com detalhes os meus três pedidos!


Entre risos e muita brincadeira, até experimentamos cachaça com cambuci , poção local que não poderiamos deixar de provar, palavras de bruxo não se contraria.
 









Um bar com música Irlandesa, um sergipano-baiano-do-mundo tocando berimbau já é o máximo, mas encontrar Luciano Sallum nem mastercad paga!
  

E para não quebrar a regra a foto para o facebook!
 

Valeu crianças, a noite foi fabulosa como só um encontro de bruxos merece ser...não pude ficar para os outros dias, amiga torceu o tornozelo e voltei para exercer os unicos  poderes que reconheço  de verdade em mim, a magia do carinho, do amor que tenho pelos meus amigos!


 



Encerro hoje minhas atividades, particularmente feliz! A Lua Mãe-Menina, invade minha janela, matreira, vindo convidar-me a juntar minha Luz a sua...

(Hoje 01.05.2011(18:45)



O livro lançou...eu não li
O filme estreou...eu não assisti
Todas as minhas amigas me dizem: É a sua cara!
Os primeiros maridos não precisavam ser tão iguais...nem o namoradinho...hulá lá..rs
Hoje assisti...simplesmente delicioso!!!
Que mulher largaria tudo para ir em busca de si mesma?
Ei meninas, agora a resposta está na ponta da língua: eu não preciso de um homem,  preciso de um campeão!!! ( Eu diria logo um herói, um super-herói...hahahaha)
Comer - Rezar - Amar
(abrindo parentese para o apetite dela que é invejável, quem me dera o tivesse, não estaria com 52kg...rs - que  a mama nunca leia isso..rs)




(Hoje 30.04.2011(10:28)



Olha eu aqui novamente!
O café fumegando na caneca a máquina de lavar com seu barulho intermitente e um cheiro de goiaba pela casa...ô frutinha que cheira!
Então, a chuva da semana cessou deixando o sol despontar, fazendo um esforço tremendo para sentir o colorido que ele produz, acordei e sai no quintal, deixei que ele me saudasse quem sabe assim não me animo...
A semana foi confusa, conturbada...sabe aqueles momentos em que voce se vê na encruzilhada e se pergunta? Ei estou dando certo? E ai te assaltam aquelas duvidas, o que é certo? Curioso perceber que quando as coisas estão se encaminhando, aparecem espelhos no seu caminho, tipo retrovisor e te fazem olhar para trás...não adianta espernear, a vida está sempre a te por em cheque e voce começa a se questionar o quanto as suas decisões influenciam na vida dos outros. E posso garantir, quando suas decisões influenciam na vida de um outro que é muito importante para você, a coisa fica muito pior...voce percebe que seu olhar esteve voltado para seu próprio umbigo e se sente a criatura mais egoísta do planeta e então, tudo desmorona ao seu redor!
Ok, assumindo os meus sentimentos de culpa, reajo em cadeia ascendente, não me poupo de nada, mastigo essa erva amarga e engulo o choro. Não há o que retroceder, mudei, mudamos...nada será igual e você fica com aquela duvida: e se tivesse feito diferente? E se? Tantos SE que pesam sobre meus ombros...e se eu voltar? Olho novamente pro meu umbigo, gosto dele...
Há uma noite escura no meu dia...

(Hoje 25.04.2011(12:50)
O problema de ser tantas é uma unica parte querer decidir por voce inteira...
Precisava desabafar com alguém e não conheço ninguém melhor que você para falar sobre mim.
Lembra quando se olhou no espelho e não me viu? Hoje entendo que não vivo mais sem você...parece loucura, mas sei, e sei você que também sabe, que precisamos em algum momentos reunir as nossas “partes” e travar aquele colóquio.
Sabe, quando decidiu que se dividiria em tantas partes e provaria com cada “uma” a vida, não gostei muito, a principio fiquei “amuada” e sinceramente pensei em desistir de você, fazer uma produção independente a tua revelia. Fique de longe espreitando suas partes em movimento. Fiquei muito intrigada com o seu lado mãe – dedicada, interativa, possessiva, em alguns momentos “sargentona”, mas hoje tenho que dar a mão a palmatória – fizeste um belíssimo trabalho. E não seja perfeccionista, toda mãe tem defeito; e a esposa? Nunca te imaginei nesse papel! Mas guardando os comentários ácidos, sempre soube que era sortuda, nem precisou escolher – foi escolhida...lamento, não resisti! Mas sem sombra de duvidas o modelo de príncipe encantado que toda mãe sonha para sua princesa: bonito, inteligente, dedicado a ti e aos teus, te amou como nenhum outro homem poderia ter te amado, tenho que admitir, vocês deram certo até você finalmente descobrir que não nascera para ser esposa, pena que ele nunca tenha desconfiado disso.
Mas chega de falar das tantas outras partes, elas estão lá na moldura do passado e hoje quero ser nas tuas mãos o barro da tua escultura - Unica. Sabe que sempre fui a mais egoísta, e por tantos momentos tentei me sobressair, mas você simplesmente me ignorou – e isso é uma queixa explicita! Mas, cá estamos...voce, suas tantas outras certinhas e lapidadas partes e Eu, a incompleta, irreverente e declaradamente incompreendida. Será que pode se ater de mim? Estou pronta para atuar e você com seus medos insiste em fazer de conta que não me vê. Adianta fugir para a casinha de bonecas toda vez que te convidam para ser adulta?
Aguardo a sua resposta, preciso estrear nesse palco e começar a diversão de verdade: quando vai me por no fogo?

...Eu...
Hoje 19.04.2011(20:15)

Hoje,11.04.2011 (00:41)
Um momento de puro exibicionismo e orgulho...rs
Existem momentos que são únicos...e esta felicidade que estou sentindo é particularmente especial:Meu Irmão me visitando!
Pois é, estou toda boba, toda prosa...toda irmãzinha...conversamos muito, saímos para “biritar”, fomos ao teatro, passeamos o que deu, tempo curto...estou feliz!
Essa é uma fatia da minha vida muito especial, esse irmão foi muito desejado e quando o “ganhei” de presente aos seis anos de idade, algo em mim mudou (grande novidade, eu sou a própria mudança, venho percebendo isso...rs), mas continuando...era meu bebezão, me irmão e com ele brinquei de ser “mãe”, junto com os outros irmãos que chegaram, somos em cinco..
Crescemos. Cada um tomou seu rumo – eu me casei e ele foi embora servir o exercito. Fez academia longe de casa, mas nunca nos afastamos, sempre fomos IRMÃOS. Muitos eventos engraçados, como todo jovem rapaz, aprontes, duvidas, decisões...enfim, seguiu a carreira militar, casou-se, constituiu família, rodou o Brasil...hoje é major, comandante de um batalhão...uma vida legal, ele é feliz!
Haja histórias desse mocinho aventureiro, motoqueiro, paraquedista, adepto de esportes radicais...uma mulher campeã sul-americana de tiro, uma família linda...enfim...ele é o CARA!
Sempre tivemos uma proximidade muito gostosa, grandes conversas, ele é o que mais se parece comigo...nos identificamos, discordamos e concordamos, com um respeito muito especial de seres humanos que buscam se posicionar no universo, que buscam defender e desfrutar do espaço que conquistamos...estamos aí, um para o outro como sempre fomos e nesse final de semana, ele está aqui comigo!
Agora nesse momento está curtindo o show do U2, me abduziu e eu também vou, mas só na quarta...me ligou mais cedo de lá dizendo: irmã, maravilhoso, uma “vibe” incrível, precisava compartilhar contigo!
Não consegui dormir e vim compartilhar um pouco dessa emoção...são momentos especiais como este, que nos fazem crer que a vida vale tanto a pena...que tudo fica muito pequeno quando você se sabe amado...ter cuidado de irmão é delicia demais...posso ser fragil às vezes e me deixar ser “dengada” por quem me ama...

Hoje,07.04.2011

Quem em algum momento não se sentiu Macabéia???
Hoje, 05.04.2011 (10:00)

Alguns momentos preciso te ler...me acalma...traz-me a minha realidade de apenas humana, mulher comum...

"Já escondi um amor com medo de perdê-lo, já perdi um amor por escondê-lo. Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos. Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso. Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos. Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem. Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram. Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem eu sou! Já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir... já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi. Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto. Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir... Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam. Já tive crises de riso quando não podia. Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva. Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse. Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar. Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros. Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros. Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um UM AMIGO FELIZ. Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava. Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade. Já tive medo do escuro. Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais. Já liguei para quem não queria apenas para ligar para quem realmente queria. Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo, mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda. Já chamei pessoas próximas de "AMIGO" e descobri que não eram. Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim. Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre... Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração! Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente! Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão. Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE! Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer: - E daí? EU ADORO VOAR!" [Clarice Lispector]


"O que eu sinto, eu não ajo.
O que ajo, não penso.
O que penso, não sinto.
Do que sei, sou ignorante.
 Do que sinto, não ignoro.
Não me entendo e
 ajo como se me entendesse."
[Clarisse Lispector]

Hoje, 26.03.2011 (10:56)

Café é claro...Eu, minhas “bestagens” e um substancial pedaço de bolo de laranja...
Sábado prometendo: o Sol despontou!
Sempre fico “melhor” nos dias ensolarados, coisa de baiano que tem a luz mais intensa...o verão é verão...o inverno é verão...o outono e a primavera também é verão!
“Hoje vai dar praia!” Essa é a primeira frase do dia...rs

Mas, aqui longe do mar o outono vai se definindo. Sábado passado fui ao parque Ibirapuera e deliciei-me...como as estações são diferentes aqui!!!
E nessas mudanças de estações, Eu filha da lua e confessada amante do sol...Mudo!

Estou relendo Dom Quixote, e me confesso invadida por uma profunda e saudosista melancolia...li essa preciosidade devia ter uns 15 anos...menos talvez...decerto, eu naquela época já era uma apaixonada leitora, aprendi a ler, acho, que nas fraldas... meu “Papá” amado, me ofertava o livro, falava an passant sobre a história...mas de um jeito que era impossível não le-lo todo...onde estava “aquilo” que ele havia dito? Bem, depois de ler o livro eu tinha que falar sobre ele, ou seja: desenvolvi minha estratégia argumentativa muito antes de sentir-me alguém...rs
Mas, claro que guardando a distancia de quase 30 anos após a primeira leitura...novamente mergulho nesse universo de Cervantes, logicamente com outra “lupa”...antes, eu procurava o que meu Papá havia me dito que tinha no livro...mas, de certa forma ainda há a ótica do momento, como são diferentes as reflexões quando somos jovens!!!

Só abrindo uma observação: ser jovial não quer dizer que tenhamos congelado a juventude...é ligeira e passa ao piscar dos olhos...deixa em nós esse perfume que exalamos por toda nossa existência...


Mas de volta ao "hoje"...meu Papá envelheceu e a sua mente perdeu-se em alguma estrada que certamente, como Quixote Ele ainda busca...sinto às vezes nos seus olhos a saudade de quem foi...talvez eu esteja vendo nos dele o que está refletido nos meus...
Hoje, 10.03.2011 (12:15)

Passei o dia ontem indisposta...creio que tenha sido a poeira dos guardados que remexi por todo final de semana...
Como o corpo reage!
Tenho refletido muito e de certa forma, me sinto diferente...
Talvez agora não tenha tempo de explicar tudo direitinho, esse telefone não para de tocar!!! Mas voltarei e mais tarde, falaremos...
Hoje, 12.03.2011 (13:15)
Agora sim!
Com minha xícara de café forte e quentinho, como gosto...aproveito a calma do sábado chuvoso para vir, completando aos poucos esse espaço que decidi te-lo como meu recanto de percepções...
Por entre as linhas talvez me revele sem vestes, sem verniz, essa é a idéia e o desafio, fazer algo que sempre tive medo de fazer – me expor!
Talvez assim, os meus rabiscos “oficiais” ganhem mais sentido...
Não que tenha a pretensão de me explicar ou de apresentar um desenho formatado da minha personalidade, essa talvez, nem mesma eu nunca venha vislumbrar materialmente...
Mas queria deixar aqui algo de marca, espécie de memorial, sobre esse “papel”, que adotei depois de ter perdidos tantos outros no transito das minhas constantes mudanças...
O objetivo hoje é compartilhar-me e refletir junto...
A algum tempo atrás quando decidi literalmente chutar o balde do conformismo, sai da bolha dos mimos, deixei de ser expectadora, queria provar a vida e estalar a língua no céu da boca e até mesmo fazer careta ao amargor, mas, que todas as sensações fossem unicamente provenientes das minhas experiências...saí ao sol, abandonei a sombra para que este atuasse sobre a pele resguardada da alma, queria sentir as reações que tudo provoca quando você se permite interagir...
Mudei, e com passos infalsos, provei pela primeira vez da verdadeira sensação de medo...do desconhecido, da solidão, de ser responsável por si...a sensação era de “perdida no espaço” literalmente!
E agora? Munida de toda coragem, vozes ecoavam por todos os lados, chegando a me confundir: Quem é você? O que quer? E agora, o que vai fazer?
Muitos tropeços, sucessos, provações e comprovações de que tudo pode dar certo quando você se propõe a fazer-se acontecer. Hoje, mais consciente de algumas “verdades minhas”, sinto-me muito mais calma e confiante, e já não tenho tanto medo de encarar a vida de frente. Aprendi que há barganha no preço quando se quer ver, tocar, sentir, respirar...
Assumindo todos os riscos, iniciei a jornada...e hoje com a bagagem material cada vez mais leve, me sinto preenchida de uma Paz reconfortante que me leva a saltar para nova etapa. Já descobri o que NÃO QUERO, em vários níveis...e então, cada vez mais mergulhada no meu intimo, já tenho a nítida idéia de quem EU SOU e aprovo, mesmo reconhecendo todas as fragilidades salpicadas com um “que” de arrogancia e orgulho...sinto que estou pronta, ou ao menos, mais “fortalecida” e “animada” para ir em busca do objetivo da jornada: O QUE QUERO?
Bem...tenho plena consciencia que esse talvez seja o mais difícil desafio, mas, quando nos propomos a ter observância no caminho, frutos, é o mínimo que podemos colher...


Hoje, 13.03.2011 (15:49)
 Fui passear e olha o que encontrei...
Minha Musa inspiradora, adoro encontra-la e bater longos papos regados a café quentinho...
"Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue; outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer."
                                                                Clarice Lispector

Hoje, 14.03.2011 (14:15)
A caminho...no caminho...caminho sem pressa...
Ungida com todas as bençãos, já aprendi que devo escutar minha intuição quando me fala e quando me envia recados (jamais vou esquecer aquele olhar no taxi)...mas, isso é um outro assunto...
Primeira lição e desafio que me propus para hoje: domar a teimosia, aprender a respirar...
Não sei se me entendem bem, e talvez não seja essa a intenção (rindo)...alguma vezes preciso “desopilar” para não implodir...
Quando será que aprendemos a agir em meio termo? Se você é alguém que é 8 ou 8000, ou tudo ou nada,  como eu, deve entender o esforço que preciso fazer nesse meu propósito...infelizmente não dá mais para divagar, mas, passei para deixar, aqui, impressas as minhas angustias hodiernas...um eco mudo talvez, mas, percebo que as vezes esse sensação de solidão que nos invade, nada mais é do que quando nós mesmos nos impomos o afastamento, logo...estou me “abrindo”...
Té mais... 
Hoje, 16.03.2011 (13:33)

Depois de frutifera conversa em que “banqueteei-me” com os diferentes ângulos de visão, fervilhando não consegui dormir, obvio! rs 
Antes preciso agradecer, não com modéstia, mas com humildade, porque sei que mereço a sua presença no meu existir, externo o prazer que esse sopro me proporciona...mesmo sabendo que o nosso para sempre será eternizado no que levarei de aprendizado...
Entendo que tudo só se faz válido quando compartilhado...aí estão as minhas divagações:
Se apenas a um Ser Humano fosse concedido o direito de escolher quem verdadeiramente amar... e inteligentemente este escolhesse a Si mesmo...
Então...munido de toda a singeleza que só o indelével Amor o sabe...estaria pronto para buscar e compartilha-lo em um primoroso bailado o dueto sagrado...
Verdadeiramente far-Se-ia Uno!
Mas errantes imperfeitos Seres Humanos que somos...vagamos moribundamente espelhando a nossa imagem pelo infinito, tal qual Narcisos...orgulhosos de nossas conquistas açucaradas que só nos esvaziam e nos degeneram cada vez mais...
Talvez um dia, possa Eu, testemunhar o transbordar de algum “ente” locupletado dessa nobre seiva e ser convidada a fartar-me nesse generoso e digno banquete!
Bjssss

Hoje, 19.03.2011 (10:27)


"Renda-se, como eu me rendi.
Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei.
Não se preocupe em entender,
viver ultrapassa qualquer entendimento."
(Clarice Lispector)
Aqui...
Com minha inseparável xícara de café, estou...
Sentada diante de mim nesse sábado cinzento, dou continuidade ao mais difícil “bordado” que já me propus.
Artesã amante das artes em todas as expressões que já fui apresentada, cada dia exploro um novo experimento e vou juntando a tantos outros que já provei. Mexer nas minhas “linhas”, minhas pedrinhas de vidro, em adornos de rara beleza que juntei, me dá um sensação de “incompletude”...
O dia do artesão me remeteu a um delicioso passado, que vem me visitando. Outro dia, minha grande amiga Duka, depois de contar-lhe da visita do Balé e de como foi emocionante saber que ainda me encontro “viva” no modo de fazer acontecer, na equipe(meu meninos) que carinhosamente me mantem “parte”,  naqueles deliciosos passos que dancei, me perguntou:  _ voltaria? E eu de pronto respondi: _NÃO! Ela já sabia a resposta...rs
Ainda é hoje, a melhor e a mais gratificante coisa que já fiz na vida, mas...não saberia voltar...
Fiquei pensando, o que faz de mim, Ser e ter essa inquietação pela vida, pelo desconhecido...a tal Alma Imoral latente? Bem, o Nilton Bonder acredita nisso e eu começo a crer também, pois, nada me dá mais prazer do que sentir a alma borbulhando, esse friozinho na espinha que eu chamava de medo e hoje sei que é “tesão”...os inicios me deliciam, e acredito que por isso eu saia a francesa antes que chegue no fim...
De tudo que sei, é que continuo tecendo meus bordados, escolhendo com muito carinho os adornos que compõem o desenho da minha história em “bandeira” que pretendo entregar-me no final da minha busca, quando, finalmente me encontrar...

Liberdade é...
Buscar dentro de mim a melhor forma de se viver.
Optar ir contra a corrente, contra o mundo, sem me importar.
Amar sem me prender.
Buscar e ir mais além do que somente encontrar.
Tentar e errar, persistir e vencer.
Ir e vir, fora e dentro de mim.
Dar e receber sem medo e orgulho.
Não apenas sentir, ou dizer, mas de fato viver a liberdade.
Correr, parar, tornar a voar.
Na verdade...
"Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome."

[Poesia: Ivan Rosário. Frase Final: Clarice Lispector.]

"Tenho várias caras.
Uma é quase bonita,
a outra é quase feia.
Sou um o quê?
Um quase tudo...
Não me sinto bem.
Não sei o que é que há.
Mas alguma coisa está errada e dá mal-estar.
No entanto estou sendo franca e meu jogo é limpo
Abro o jogo!
Só não conto os fatos de minha vida:
sou secreta por natureza."
(Clarisse Lispector)


11 comentários:

Anônimo disse...

toc,toc
Posso entrar pequenina? Quero só admirar esse ar melancolico que tanto me encanta.
Um Beijo.
Eu

Anônimo disse...

Boa tarde.
Um dia cheio, pelo visto o seu também. Gosto daqui, me acalma te ler, te olhar. Tudo brilha.
Saudades.
Um Beijo.
Eu

sese disse...

Toc toc!.. Hello! Não preciso pergunar se há alguém por ai, vejo pelo esplahar de coisas a serem deixadas de lá, pela inutilidade do momento atual , mas vejo tambem a claridade que essa mexida causou. Um lugar novo para os proximos guardados de novas incursões, novas visões. Um frescor, uma clareza de pensamentos.
Beijocas

V.Cruz disse...

sese querida, seja muito bem vinda, obrigada pela visita...esparrame-se nas almofadas...café ou cha?rs
Bjsss

Anônimo disse...

Como o diabo gosta? Relembrando, só você para me fazer navegar bem no meio do dia. O diabo não sei, mas eu gosto muito.
Um Beijo Mulher dos extremos.
Eu

V.Cruz disse...

Só voce para me fazer rir no final de um dia de segunda...e suspirando digo...só eu sei o quanto "gosta, gosta, gosta"...muito...rs

Anônimo disse...

Bom dia Tiê. Cheguei antes de você. Embriagado ainda, dormi muito bem.
Beijos.
Eu

V.Cruz disse...

Ceussss...Que surpresa linda! Então, dormi bem sim, mas não imediatamente...muitas reflexões depois de tudo...correndo aqui, vim só atualizar, mais tarde te mostro...
Amei o Tie, coloquei a musica em sua homenagem...rs
Bjsss

Anônimo disse...

Na pausa para o café vim te espreitar. Embora sabendo que vai indeferir meu humilde depoimento efusivo, não me contive. Tomado de admiração ao contemplar essa cabeleira, obra de bichos da seda. Essas costas nua, resplandecendo como se fora cobertas por pó de ouro, me agiganto em saudades.
Muitos Beijos sacerdotisa do meu templo.
Eu

Anônimo disse...

Minha miga linda que aprendi a amar demais , me emocionei ao passar pelo teu cantinho , ver um amor taum grande como o teu o o teu irmão , que Deus os abençõe sempre cada dia mais ...te amo miga linda....beijos da FLOR DE LIS / SÔNIA ......

Carlos disse...

oi querida,

queria dizer-te que adorei o teu blog....tens coisas muito lindas e que nos dao muita paz e tranquilidade.

nao deu para ler tudo, mas vou ler a poucos e poucos....

beijosss
carlos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!