4.2.16

DIAGONAL

Nada diferenciado além do movimento presente. Havia céu na janela, deslumbramento no teto e as paredes seguiam sorrindo e chorando, projetando sentimentos suados em baixo dos lençóis. Incertezas bailando entre sombras, mordiscando o sono pela madrugada musicada em única nota.  Era como se a sanidade estivesse em férias prolongadas e eu fosse uma sátira do dia evadindo na noite. A única graça esvaía da ponta do cigarro, uma rebuscada fumaça complementando o cenário.

Já não havia passado, de verdade nunca passou, nunca dormiu, nem nunca acordou...

2 comentários:

Miguel Eduardo Gonçalves disse...

Passando para te rever e à tua excelente poética!
Abraço forte,
Miguel

Autêntica V. disse...

Miguel querido, que prazer recebe-lo!
Smack!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!