6.7.11

...Sobre a Mesa...(Parte Final)


Não se dera conta de quanto tempo passara ali, mas ao sair na rua a tarde já caía. O frio acentuava a melancolia e sua angustia aumentava. Sabia que precisava ser rápido, algo dentro de si, dizia, que a urdidura do tempo entrelaçava as tramas se fechando num tecido espesso, e logo a noite cobriria tudo, numa única desolação.
Chegou nos aposentos, as pessoas em volta do leito, silenciosamente se afastaram. Passou a mão nervosamente no volume que trazia sob o paletó, todo homem necessita de uma boa espada no momento do embate final. Mais confiante,  chegou aos pés da cama, a viu inteira. Suas retinas contraíram-se, quase querendo saltar-lhe de órbita. Sentiu uma dor, como jamais imaginou sentir. Sobre a cama, coberta de alvo linho, estava Ela. Uma camisola fina de cambraia lhe cingia um corpo descarnado, esparramadas madeixas sobre o travesseiro, adornavam, aquela face que nas suas lembranças lhe transportavam a um oásis, sempre úmido, um sorriso de mil sois; queria ter podido aspirar seu perfume de tamaras maduras, como outrora. Mas agora, apenas um deserto sem vento, ressequido de emoções. E os olhos, aquelas janelas de céu estrelado, encontravam-se sepulcralmente cerrados.
Contornou a cama e bem de mansinho, quase como uma pluma, pousou o corpo. Ela se mexeu, como se soubesse que era ele e aninhou-se no seu peito, como sempre fizera. Uma gata que ronrona no colo do dono. Acreditou te-la visto esboçar um sorriso. Fechou os olhos por um momento e também sorriu. Um sorriso de guerreiro na volta ao lar, no aconchego familiar, quase um merecido descanso depois de batalhas. Como pode viver tanto tempo longe, suspirou. Mas o volume no bolso do paletó o acordou do devaneio; embora soubesse que precisava agir com urgência, ainda não havia decidido. Abriu os olhos e avistou sobre a mesa da cabeceira uma folha de papel. A tinta ainda molhada, não impediu que lesse e se decidisse.
E então, ela abriu os olhos e se olharam encortinados em véu de lagrimas. Não havia palavras que coubessem em suas bocas, por isso, apenas roçaram os lábios demoradamente.
Ele então a afastou com todo cuidado e retirou do paletó os dois frascos, destampou-os, um a um, depositando-os sobre a mesa, pela primeira vez lhe falou: pegue o seu.
Ela não vacilou, pegou o verde olhando-o com ar de curiosidade.
Horas depois, estranhando o silencio, as pessoas foram olhar o aposento. Encontraram os dois abraçados, como se estivessem dormindo o sono dos amantes – dois frascos vazios caídos no chão, e entre eles uma folha de papel borrada com digitais ao redor:
Ah por que ainda escrevo?
Escrevo não só por que ainda existo
Mas porque todos os dias me visto
Pela manha com os bordados da esperança
Insisto em fazer dessa casa vazia que sou Eu
O ninho que um dia, lá pelo meio dia
Tu regressarás
E então me ponho a preparar o alimento
Sustento destas paredes que deixastes
Com fome de sentimentos
E a tarde, com a força do meu amar
Lavo cada aposento com minhas lágrimas
Saudade cristalina
Que jorra da fonte do meu pesar
Do poço dos meus lamentos
E neste papel em branco que hoje somos nós
Não desisto,
 Todos as noites aqui desenho o meu desejo
Que um dia
Ao menos
 Tu me leias e diga:
Ela sempre foi a minha Poesia!
 

8 comentários:

sohere.luria disse...

E eu aqui... sentada na ponta da minha cama, com o note no colo, ..., estranho foi olhar pela janela e ver o sol poente em suas diversas cores, sentindo em meu ser a escuridão e o sofrimento dos amantes. "ou diria: felicidade?"
Bjos de sua amarela.

Anônimo disse...

Você emociona. Difícil não viajar contigo. A cada dia seu talento desponta, me sinto orgulhoso em saber que fui um humilde incentivador.
Voe passarinho lindo. Parabéns pelo conto.
Um beijo.
Eu.

Adriana disse...

Que lindo,que lindo,que lindo!!!

Um lindo dia Mo_zinha!Te loviu!

Ahh e sem tosse..rs

Lobª Encªntªdª disse...

Mochinha, minha amiga de vestida em poesias ton sur ton, acho que pela primeira vez as palavras faltaram...Superou-se? Talvez seja apenas isso que precise te falar, que meu coração que leu, não meus olhos.
Amuuuuuuuuuuu (muygay) e sempre...

Evaldo disse...

Amar e sofrer são também predicados de quem faz poesia. O corpo e o coração padecem quando padecem os poetas e poetisas, por amor.
Abs, poetisa V.Cruz. A dor também passa porque poesia e amor também curam.

V.Cruz disse...

Queridos,
Muito bom retornar e saber que estiveram por aqui.
Paty, minha Luria...sempre viajamos juntas, de mãos dadas...vc não só me lê,vc me entende...Amo amarela!

Querido, vc é o amigo "íntimo" que toda mulher precisa ter...meu dengos e carinhos a ti, obrigada pela tua maturidade...voce seria o homem certo para amar...se Eu tivesse coração!
Bjsss

Cre...Mossssa...sua docilidade, carinho e perfume de amizade enfeitam as paginas da minha vida...muito bom te-la por perto...Beijãozãoooooo

Lobita meu lado "muigay" que adoro ter, sem vergonha de dizer que só uma Mulher de verdade sabe o que e sentir "esse" tesão por outra (uiiii)...quem não conhece isso nunca saberá o que é ser MULHER!
O gostoso disso tudo é saber quem somos...superei? Ainda não, falta muito...estou exercitando o "Ramiro"...rs
(amutu tumati)

Evaldo, Poetamigo prá lá de sensivel...muito gostoso te-lo aqui comigo, navegando ao sabor das emoções...inflei as velas!
Abraços poéticos!

Meias de Seda (Suzy) disse...

Querida, obrigada pela mensagem de aniversário! Não há presente melhor do que receber o carinho dos amigos! Isso sim não tem preço!

Depois volto com calma para comentar seus textos e te fazer um convite.

Beijo grande ;)

V.Cruz disse...

Suzy querida não agradeça. Sou uma admiradora do seu trabalho, bonito, interessante e útil...além da sua figura,logico, pra lá de alto astral!
Esteja sempre a vontade, esse cantinho é nosso...ando daquele jeito, um dia melhoro ou pioro de vez!
Aguardo seu retorno
Bjssssssssss

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!