10.6.11

...Balzac...Ando...

Envelhecidas linhas de nanquim
Sobre amarelados papéis
Fazem burburinho de piscar de olhos

Esparramadas partes que em parto se aparatam de mim
Desdobram-se em frestas com tonalidade violeta
Farfalhando como asas da borboleta

E em homenagem a Balzac
O dia nasce arrancado das entranhas da noite
Borbulhando novidades em choro alto
Intimidando o cansaço a recolhe-se
Dobrando a idade que se dilui na fluidez do tempo

Sempre haverá um amanhecer para recomeçar

4 comentários:

Anônimo disse...

Na sua melhor hora, e na mais esplendorosa forma que uma mulher soberana deve ter.
Linda poesia, como tudo que você faz.
Vim buscar meu cheiro.
Um beijo.
Eu.

V.Cruz disse...

Oh coisa boa! Tu enche minha bolinha mesmo, depois reclama que eu voo...rs
Brincando querido, obrigada pelo carinho, pela sua elegância e gentilezas.
Bom final de semana.
Cheirossssss (rs)

Natalia Nuno disse...

Também confio que Deus sempre me dá mais uma oportunidade de ver nascer o sol, brincar com o orvalho como fazia em criança, de levantar vôo como a ave do céu que eu imaginava ser só meu, quanto delírio não amiga querida.
Pois enquanto sonhando caminhamos felizes. Agradeço-te o carinho e deixo um beijinho carinhosamente.

Valéria Cruz disse...

Natália querida, discordo apenas quando diz que é delírio, isso com certeza é vida real...renascer até o último instante!
Bjão e grata pela visita.
V.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!