29.3.13

...Jejum...


Desdobro-me numa oração amarrotada...
Negando-me relacionar tudo que fiz...
Torno-me uma fatalidade de entranhas...
Perdida...
Entregue...
Desatenta...
Afrouxo a fivela de prender silêncios...
Não aceito engolir o ázimo envelhecido...
Prefiro viver jejuando...
Do que repartir-me sem nunca ter me tornado indivisível...
Pela cava dos olhos pari mais um amanhecer...
Talvez seja assim que imaginei ter pecado...
E ter sido fatalmente absolvida...


“(…) E, aquele 

Que não morou nunca em seus próprios abismos
Nem andou em promiscuidade com os seus fantasmas
Não foi marcado. Não será exposto
Às fraquezas, ao desalento, ao amor, ao poema.”
[Manoel de Barros]


2 comentários:

Sonho(f) disse...

Sempre lindo seus poemas... Gosto muito do seu modo de escrever. Feliz Páscoa, a vc e aos seus tbém Mo queridona. Que possamos ter sempre "o suficiente!" em tudo em nossa vida. Beijos com alegria...
Sonho(f)

Valéria Cruz disse...

Sonho querida!
Obrigada pela sua sempre atenção. Fico muito feliz de te-la por aqui.
Que assim seja, à todos!
bjão
V.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...Sobre Imagens...

Informo que algumas imagens utilizadas aqui, não são da minha autoria, tendo sido em sua maioria, provenientes do google imagens. Ficando assim, à disposição dos seus respectivos autores, solicitarem a retirada a qualquer momento.

Fiéis escudeiros! Fàilte!